Marcadores:

Mesmo sem brilho, Brasil cumpre seu papel e vence Austrália na estreia

A Seleção Brasileira estreou como se esperava na Copa do Mundo Feminina de Futebol: com vitória. Não foi um espetáculo, nem teve grande atuação de Marta, é verdade, mas a equipe jogou para o gasto e bateu a Austrália, por 1 a 0, em Mönchengladbach, nesta quarta-feira. O gol foi marcado por Rosana, no início do segundo tempo, e garantiu ao time canarinho a liderança do Grupo D, ao lado da Noruega, que bateu Guiné Equatorial no primeiro jogo do dia.

A equipe do técnico Kleiton Lima não começou bem a partida. Mesmo experiente em Mundiais em com retrospecto amplamente favorável contra a Austrália, o time sentiu o nervosismo da estreia e não se encontrou nos 45 minutos iniciais. No entanto, cresceu na segunda etapa, abriu o placar rápido e assegurou os três pontos e manteve os 100% de aproveitamento em estreias na competição, mesmo voltando a errar muito e a sofrer pressão no fim do jogo.

Agora, com a sensação de dever cumprido na primeira partida, a equipe volta as atenções para a partida do próximo domingo, justamente contra a Noruega, às 13h15, em duelo que vai valer a liderança da chave.

Nervoso, Brasil toma sufoco no primeiro tempo
Quem olhasse rápido para a televisão nos primeiros lances de jogo, poderia facilmante se enganar e torcer para o time errado. Afinal, quem estava vestindo verde e amarelo, tocando a bola com velocidade e atacando mais não era o Brasil. Era a surpreendente Austrália, que chegou a ter duas cobranças de falta perigosas à meta de Andreia antes de o relógio marcar 10 minutos. De azul e ainda tímido, o Brasil tentou se soltar aos poucos. A primeira chance foi aos nove, quando Aline cruzou da esquerda, Rosana tentou de cabeça e quase surpreendeu a goleira Barbieri.

Mas a Austrália seguiu com mais posse e rodando a bola, tentando envolver as brasileiras, que se destacavam na marcação, mas falhavam na hora de criar as jogadas. Como aos 18, quando Aline fez desarme preciso na esquerda, mas acabou devolvendo de graça para Mc Callum e teve que cometer falta perigosa na entrada da área. A jogada não deu em nada, mas a pressão da Austrália continuou. Aos 22, Van Egmond avançou bem pela esquerda e chutou, só que parou em Andreia.

Na base do talento individual de Marta, aos 25, o Brasil respondeu. A camisa 10 puxou contra-ataque pela direita e cruzou para Cristiane, que rolou para Rosana, livre na pequena área, chutar para a fora. Só que a saída de bola do Brasil falhou novamente, com Aline, aos 30, na entrada da área, e De Vanna saiu na cara do gol, mas bateu longe do gol. Antes do apito, Cristiane ainda teve boa chance aos 36, mas o zero a zero continuou. Sorte do Brasil que, apesar da "atitude brasileira", a Austrália não teve a qualidade de Marta, Cristiane e companhia para largar na frente.

Brasil melhora, abre o placar, mas sofre até o fim
Mas tudo mudou na etapa final. Enfim, o Brasil jogou como Brasil, e aí, ficou difícil para a Austrália segurar. Logo aos nove minutos, Cristiane fez bela jogada, misturando raça e técnica, dando dois balões em defensoras australianas, e ajeitou para Rosana, que já havia perdido duas oportunidades na primeira etapa. Dessa vez, no entanto, ela não perdoou: chutou forte, de bate pronto, sem chances para Barbiere: 1 a 0.

O gol fez a Austrália se mandar ao ataque e, com isso, abrir espaço para as chegadas em velocidade do Brasil. Aos 20 minutos, Marta teve boa chance para ampliar a vantagem brasuca, ao receber bom passe na direita, passar pela zagueira e chutar forte. Seis minutos depois, foi Cristiane quem arriscou de fora da área e deu trabalho à arqueira australiana.

O que era animador, no entanto, voltou a ser preocupante. O Brasil errava muito na saída de bola, como no primeiro tempo, e a equipe da Oceania voltou a gostar do jogo a partir dos 30 minutos. Aos 32, De Vanna arrancou bem pelo meio da defesa brasileira e chutou forte para fora. Cinco minutos depois, Butt fez grande lance pela esquerda e cruzou para a área, mas Garriock não conseguiu completar. De Vanna voltou a desperdiçar outra ótima oportunidade para empatar, aos 42, quando saiu frente a frente com Andreia, mas errou o toque por cobertura.

O único lampejo de talento do Brasil nestes minutos finais foi um pouco antes, aos 40, quando Cristiane deu lindo drible na defensora da Austrália e cruzou com perigo para a área, mas Rosana não conseguiu empurrar para as redes. O resultado, portanto, não se modificou: 1 a 0. O Brasil não convenceu, mas venceu, e o que importou ao fim dos 90 minutos foram os três pontos.

0 comentários:

Postar um comentário