Marcadores:

Eurocopa 2012 (Grupo A) - 2º rodada: No Dia da Rússia, empate com Polônia na nova batalha de Varsóvia

A conturbada relação entre russos e poloneses começou na Idade Média. Depois, se agravou no fim da Primeira Guerra Mundial, na Batalha de Varsóvia, se estendeu pela Segunda Grande Guerra e deixou muitas cicatrizes. Nesta terça-feira, justamente no Dia da Rússia, as duas seleções se confrontaram no estádio de Varsóvia, pela segunda rodada da Eurocopa, em clima muito tenso fora de campo. Em passeata antes da partida para comemorar o Dia da Rússia, tudo começou na paz, mas depois hooligans dos dois países acabaram brigando. O saldo foi de três feridos e mais tensão para a partida. Em campo, no entanto, a briga foi apenas pela vitória. E na nova batalha de Varsóvia, em boa partida, ficou tudo igual. O empate por 1 a 1, com cada seleção dominando um tempo, adiou a definição do Grupo A da Eurocopa 2012 para a terceira e última rodada.

Dzagoev, autor de dois gols na vitória na estreia sobre os tchecos por 4 a 1, marcou o gol russo, no primeiro tempo, e se isolou na artilharia da competição. Na segunda etapa, Blaszczykowski, o Kuba, empatou a partida, aos 11 minutos, tornando o resultado final mais justo.

O time russo, comandado pelo camisa 10 Arshavin e com outras boas atuações individuais no primeiro tempo, mostrou superioridade técnica e tática na maior parte dos primeiros 45 minutos, mas foi dominado pelos poloneses na segunda etapa. Comandados pela garra de Polanski, Lewandowski e Kuba, destaques na partida, por pouco não saíram com a vitória.

Na terceira e última rodada da primeira fase, no próximo, sábado, os russos, com quatro pontos ganhos, encaram os gregos e precisam de apenas um empate para ficar com uma das vagas. Os poloneses, que na primeira rodada empataram com a Grécia, pegam os tchecos precisando vencer. As duas partidas serão no mesmo horário, às 15h45.

Um dado curioso no Estádio Nacional de Varsóvia: na segunda etapa, o sistema de som mandou um recado aos russos de que eles ficariam 20 minutos no estádio após o fim da partida, por motivos de segurança, para evitar confrontos. Só que o anúncio foi em polonês.

Rússia sai na vantagem

A batalha da Varsóvia no Estádio Nacional começou com empenho e velocidade tanto de russos como de poloneses. Se a Rússia forçava as jogadas pela direita com um Arshavin cada vez tomando as rédeas para comandar as ações do time, a Polônia tinha no grito de seu povo na arquibancada o estímulo para se atirar ao ataque. E foram justamente os anfitriões que mandaram o primeiro torpedo para a área. Aos seis minutos, o camisa 10, Obraniak, levantou na área para Boenisch mergulhar de cabeça. O triunfo parou na grande defesa de Malafeev, veloz e com reflexo apurado.

A Rússia buscava a penetração tocando a bola até encontrar espaços para o lançamento perfeito. A Polônia, não. Era mais ação. Pintava brecha, era só soltar o foguete. Lewandowski tentou, aos 10, mas a bola subiu. Pouco depois, surgiu a inspiração em toque de bola que lembrou até o Barça. Polanski marcou, mas estava impedido, e o lance foi marcado em cima pela arbitragem. Uma pena, pela beleza da jogada.

A classificação da Eurocopa 2012

Os poloneses descobriram a brecha na marcação russa e repetiram o bom toque de bola. Sempre sob a regência de Obraniak, bem acompanhado por Polanski. Mas a bola fugiu do domínio de Lewandowski. Do lado russo, Arshavin começava a apelar para as jogadas individuais. E se saía bem.

Aos 27 minutos, a Rússia ficou a um centímetro do tiro fatal. Kerzhakov fez boa jogada pela direita e centrou rasteiro para a entrada de Arshavin, que por pouco, muito pouco, pouco mesmo não tocou na bola para completar para as redes.

A partir daí, o contra-ataque russo começou a entrar. Kershakov começou a se redimir da má atuação na primeira partida. Zhirkov, pelo lado esquerdo, já começava a subir bem para o ataque, aumentando as opções. O toque de bola e a boa organização tática voltaram a conter a empolgação polonesa.

Em falta pela esquerda, o camisa 10 encontrou o caminho do gol russo. Arshavin bateu cirurgicamente na área. Dzagoev, que vinha de trás, levou a melhor sobre a zaga polonesa e testou firme, sem defes para Tyton, aos 36, abrindo o placar e marcando seu terceiro gol na Eurocopa, disparando na artilharia. Como ponto negativo, dois sinalizadores foram jogados ao campo pela torcida russa. O fato deverá gerar punição para a Federação Russa.

Os poloneses quase devolveram o gol na mesma moeda dois minutos depois, em petardo de Dudka bem defendido por Malafeev. Fora isso, o domínio russo ficou evidente. O time encaixou as jogadas, com Shirokov, Ziryanov e Denisov acertando o toque de bola com Arshavin. Na frente, os deslocamentos de Kerzhakov e o sempre perigoso Dzagoev por pouco não levaram a equipe a ampliar o placar. Fim do primeiro tempo, era justíssima a vantagem.

Empate polonês

O segundo tempo começou fervendo, com a Polônia partindo com tudo. Logo com 5 minutos, Lewandowski, lançado na área, só não empatou porque Malefeev saiu bem e impediu a finalização do atacante.

Os russos repetiram a tática do primeiro tempo. Procuravam, no toque de bola, conter o ímpeto polonês e dar o contra-ataque mortal. Arshavin era sempre o pensador, mas já começava a abusar do excesso de toques. E foi o preciosismo do camisa 10 ao tentar fazer o passe que iniciou o contra-ataque mortal polonês. Em jogada pela direita, Blaszczykowski, o Kuba, bem lançado, cortou para o meio e fuzilou, de canhota, num golaço que levou o estádio Nacional à euforia, aos 11 minutos.

A partida cresceu em emoção. Denisov e Lewandowski se estranharam numa jogada, mas não houve nada mais sério. Polanski teve a chance de desempatar. Malefeev, no entanto, fez outra grande defesa.

Dick Advocaat, técnico holandês que comanda a Rússia, trocou Kerzhakov por Pavlyuchenko. Depois, sacou Dzagoev para botar Izmailov. Smuda tirou Dudka e pôs Mierzejewski, deixando a Polônia mais ofensiva ainda.

Kuba e Lewandowski ganhavam na velocidade. Os russos, cansados, tentavam a vitória no contra-ataque. A torcida empurrava os poloneses, que perderam Polanski. O camisa 7 saiu machucado - Matuszczyk entrou em seu lugar. Mas o time buscou a vitória até o fim. Obraniak, substituído aos 47 minutos por Brozëk, chutou o ar protestando pela substituição. Queria bater a falta no último lance. Era a luta pela vitória. Mas a torcida saiu satisfeita com o empenho da equipe. Pelo menos, a batalha não foi perdida.

0 comentários:

Postar um comentário