Marcadores:

Supermáquinas estão fora da crise, mas se escondem no Salão de Paris


Bem longe da preocupante realidade das marcas "generalistas", as luxuosas Ferrari, Maserati, Lamborghini, McLaren e Porsche, e as premium Mercedes-Benz, BMW e Audi vivem um momento de força nas vendas. Mesmo assim, apenas a McLaren se preocupou em apresentar algo novo, mas ainda protótipo - o modelo P1.
A Ferrari ficou apagada no estande que praticamente divide com a Maserati, mostrando apenas a versão especial California 30. Feita para apenas 30 clientes, é tão exclusiva que fica isolada em uma "salinha secreta" no estande. A Lamborghini trouxe somente o já lançado Gallardo LP 560 Coupé, e a Porsche, a versão com tração nas quatro rodas do 911, cuja nova geração estreou em Frankfurt, no ano passado.
A postura mais conservadora no salão pode ser considerada uma "economia de esforços" para ter postura mais agressiva no salão internacional alemão do ano que vem, quando a Europa espera começar a sair do sufoco e ficar mais animada com novidades. Não que essas marcas estejam sofrendo os efeitos da crise: "Os resultados comerciais e benefícios dessas marcas de luxo e premium são muito fortes, com recordes neste ano tanto de vendas quanto de rentabilidade", analisa o diretor da consultoria Jato France, Sébastien Viaud.
Por outro lado, Audi e Mercedes-Benz disputam as atenções com a aposta em compactos estilosos como Classe B, Classe A, o futuro CLA (ainda conceito), que deverá inspirar um cupê estudado para ser produzido no Brasil, e o protótipo do Audi Q2. A BMW também veio a Paris para mostrar um compacto ainda na prancheta, o Active Tourer, menor do que o Série 1.
"O segmento de compactos premium cresce no mundo inteiro, especialmente nos países emergentes. Nosso foco principal agora é a China, então é fundamental investir nesses produtos", afirma o presidente mundial da Mercedes-Benz, Dieter Zetsche.
McLaren P1
Destaque da McLaren, o P1 é “é inspirado tecnologicamente e espiritualmente” nos carros de Fórmula 1 da marca. Seu objetivo, segundo a montadora, é ser o mais prazeroso superesportivo dentro e fora das pistas. “Nosso desejo não é necessariamente que o P1 seja o mais veloz em velocidade máxima absoluta, mas sim o mais rápido esportivo de série numa pista”, disse o diretor da McLaren, Antony Sheriff, na apresentação do carro antes do salão francês.
O P1 ficará acima dos atuais MP4-12C e MP4-12C Spider em performance e preço. Paris recebeu o protótipo que é quase a versão de produção: ela será apresentada no ano que vem e colocado à venda dentro de 12 meses.

0 comentários:

Postar um comentário