Marcadores:

Marcelo Adnet comemora liberdade de criação em quadro do "Fantástico"


Protagonista da malsucedida série "O Dentista Mascarado", o ator e humorista Marcelo Adnet estreou um novo quadro no "Fantástico" neste último domingo (16).

Na atração, Adnet é um comentarista bem-humorado que fala sobre a Copa das Confederações, que está acontecendo no Brasil.

Após ser muito criticado pela imprensa e telespectadores por conta do personagem Adalberto Paladino, que marcou sua estreia na Globo, o comediante comemora o novo desafio e a liberdade de criação que agora tem.

"Estou superfeliz. Gostei muito porque, primeiro, adoro esporte e, segundo, tive liberdade para criar. Fora isso, acho que é um momento importante para o país. A Copa das Confederações está acontecendo e os protestos também. A gente fica com um sentimento conflituoso, um lado feliz e outro indignado. E lá conseguimos espaço para abordar tudo isso", disse em entrevista ao jornal "Extra".

Adnet contou que o convite para o "Fantástico" surgiu assim que acabaram as gravações de "O Dentista Mascarado", há duas semanas. "Aceitei imediatamente", comentou.

Ele também falou sobre como recebeu as críticas à série que protagonizou: "Na carreira, a gente tem altos e baixos. Alguns gostam e outros não. Nada é unânime. Ainda mais hoje, com a internet, onde todos escrevem o que querem, e muitas vezes de forma anônima. Mas eu sou um profissional e tenho que trabalhar. Se for ouvir muito as pessoas, isso vira uma loucura. O 'Dentista" foi um trabalho diferente, mas foi mais um trabalho. Eu me esforcei, não matei ninguém, não fiz mal a ninguém. Mas entendo as críticas".

Agora no "Fantástico", Marcelo se sente mais à vontade: "Minha onda é criar, mais do que atuar. Agora, podendo criar os esquetes, eu me sinto mais ativo, é mais a minha vocação. Não que eu não tivesse abertura para isso no 'Dentista'. Os autores sempre me deram abertura total para sugerir, mas a rotina era tão intensa que eu não tinha tempo para escrever. Na MTV eu tinha liberdade de criação e agora reencontrei a liberdade".

Por fim, ele falou sobre sua saída da MTV e confessou que fez isso diante do fim da emissora: "Algumas pessoas me chamam de vendido, mas eu não tive opção. A partir do momento em que a MTV ia acabar, eu não poderia continuar. Fiquei lá durante cinco anos, mesmo com assédio de outras emissoras. Sou só um profissional tentando trabalhar. Se a MTV acabasse e eu não fosse para a TV aberta, estaria fora agora".

0 comentários:

Postar um comentário